Uma abordagem holística em doenças crônicas, deficiências e desafios de saúde mental

A presunção de que as capacidades e o bem-estar “típicos” abrangem a norma é um ponto de vista que permeia as expectativas sociais no Brasil. A realidade é que a maioria da população enfrenta doenças crónicas e deficiências, desafiando a definição convencional de “normalidade”.

Embora muitos associem a doença a incidentes isolados, as interrupções, juntamente com a prevalência de condições crônicas, indicam que a doença é, de fato, mais típica da experiência humana do que o contrário.

Mais da metade (51,8%) sofre de pelo menos uma condição crônica, seja física ou mental. Algumas estimativas são de que 42% da população enfrenta múltiplas condições crônicas. Estas estatísticas não só revelam o impacto generalizado das doenças crônicas, mas também sublinham a necessidade de mudar as perspectivas culturais em torno da saúde e das capacidades.

Para ser absolutamente claro, no Brasil, as condições crônicas são a norma, não a exceção. Esses dados ressoam profundamente na nossa prática, pois destaca a importância de reconhecer as sequelas do trauma no vasto espectro da existência humana. 

Como neurocientista, a minha experiência abrange os aspectos médicos e psicossociais das doenças crônicas e da deficiência. Além disso, a minha própria jornada pessoal também como paciente permite-me conhecer clientes a partir de uma perspectiva de experiência vivida.

Esta experiência sublinha a importância que atribuo à aplicação de uma abordagem holística abrangente à saúde mental no contexto de condições crônicas que muitos dos meus clientes vivenciam.

Nosso trabalho no Instituto Bazzi de pequenos grupos especializada no apoio a pessoas com traumas, doenças crônicas e deficiências é uma prova da prevalência de tais experiências.

No nosso número de casos, 95% dos pacientes enfrentam os desafios de múltiplas condições físicas e mentais crônicas, muitas vezes contando com seguros subsidiados pelo Estado para cuidados de saúde. As suas narrativas sublinham a natureza multifacetada da dependência e da autonomia em várias dimensões da vida. Desde os domínios físico e financeiro até ao emocional e sexual, as complexidades de viver com condições crônicas influenciam todos os aspectos da sua existência.

Para os indivíduos que enfrentam doenças crônicas, a ligação entre traumas passados ​​e desafios de saúde atuais não pode ser ignorada.

Nossa abordagem integrativa que abrange cuidado baseado em trauma, empatia, capacitação e cura holística inclui atenção à experiência corporal do nosso paciente. A atenção às sensações físicas, incluindo respiração, movimento e padrões de reflexo, permite-me guiá-los para um caminho de resiliência, auto-aceitação e bem-estar. Reconhecer os intrincados fios que entrelaçam experiências passadas, lutas presentes e aspirações futuras cria um espaço onde nossos pacientes se sentem ouvidos e equipados para navegar pelas complexidades de sua jornada de saúde com resiliência e clareza.

Um dos desafios predominantes enfrentados pelos indivíduos com quem trabalho que têm doenças crônicas e deficiências manifesta-se na dinâmica de poder dentro de relacionamentos íntimos.

Para aqueles que enfrentam doenças como a doença de Crohn, fibromialgia, esclerose múltipla ou artrite reumatoide, a imprevisibilidade das suas condições torna o planeamento para o futuro uma tarefa difícil. Como resultado, férias, celebrações e até mesmo rotinas diárias são frequentemente interrompidas. As exigências do trabalho muitas vezes esgotam a sua energia, deixando aos seus parceiros assumir as responsabilidades de gerir uma casa e cuidar dos filhos. A pressão sobre a intimidade e as relações sexuais acrescenta outra camada de complexidade. 

Além disso, é útil reconhecer o papel do parceiro na jornada de cura do paciente. Reconhecer o compromisso do parceiro em honrar a autonomia torna-se um ato de significado espiritual, alinhando-se aos seus valores mais amplos.

Este duplo reconhecimento – capacitar a autonomia do cliente e ao mesmo tempo honrar a postura de apoio do parceiro – promove um ambiente terapêutico que não só aborda os aspectos físicos da doença crônica, mas também atende às dimensões emocionais, psicológicas e relacionais.

A preocupação generalizada e inescapável da nossa cultura com a forma física, a aparência e o estatuto social é outro obstáculo que as pessoas com doenças crônicas ou deficiências enfrentam.

A socialização requer energia e, diante das demandas domésticas ou de trabalho, as amizades caem no esquecimento.

Parte do fornecimento de terapia holística é ajudar a descobrir maneiras de incluir movimento e conexão em suas rotinas diárias. Frequentemente incorporo exercícios de movimento nas sessões ou forneço pequenos vídeos para acompanhar. Para quem fica confinado em casa a maior parte do tempo, a necessidade de comunidade é frequentemente atendida por conexões on-line.

Na minha experiência pessoal e clínica, abordar as necessidades de saúde mental de indivíduos com doenças crônicas requer uma abordagem holística e empática. Como terapeuta, considero essencial desafiar as normas culturais prevalecentes, defender a aceitação de diversas capacidades e proporcionar um espaço seguro onde os clientes possam explorar as suas jornadas únicas.

Os desafios colocados por estas experiências podem parecer intransponíveis, a escuridão pode ser avassaladora. No entanto, é no cadinho da adversidade que se desenrola um profundo processo alquímico.

Em essência, a jornada alquímica de transformar chumbo em ouro reflete o poder transformador do espírito humano quando confrontado com doenças crônicas e traumas. Isso nos lembra que nas profundezas de nossas lutas reside o potencial para um crescimento profundo, para a cura e para o surgimento do nosso eu mais radiante e precioso. Ao promover conversas abertas, cultivar a autodefesa e nutrir relacionamentos de apoio, eu e, esperançosamente, outros médicos que estão lendo isto, podemos capacitar seus clientes a abraçar suas identidades e navegar pelas complexidades da vida com resiliência e graça.  

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

11 − dez =

Descubra o melhor que há em você