A psicologia por trás da liderança eficaz em crises

Costuma-se dizer que “uma visão forte faz um bom líder”. Mas, em uma crise, as pessoas não precisam de uma “visão” para inspirá-las – elas já estão ansiosas para agir. Em vez disso, elas precisam do que os psicólogos chamam de “retenção” – líderes que reconhecem suas emoções e lhes dão uma sensação de despertar. Sobre esta tema vamos abrir uma série de artigos sobre o que é liderança. Veja a seguir!

Quando perguntamos a grupos de gerentes ou pessoas com responsabilidades de gestão, o que faz um bom líder, raramente temos que esperar muito antes que alguém diga: “Visão!” e todos acenam com a cabeça. 

>>> A resposta é sempre a mesma: uma visão inspira e move as pessoas. 

Expansão, dominação, liberdade, igualdade, salvação – seja o que for, se a visão de um líder nos der direção e esperança, nós o seguiremos. Se você não tiver uma, não pode se chamar de líder.

Esse encantamento com a visão, acreditamos, é a manifestação de um problema maior: uma concepção desencarnada de liderança. 

Assim, as visões mantêm nossa imaginação cativa. Porém, raramente têm um efeito positivo em nossos corpos. Na verdade, muitas vezes, acabamos sacrificando nossos corpos em busca de diferentes tipos de visões e celebrando esse fato.

As visões funcionam da mesma maneira, quer os mais místicos ou os líderes as tenham: elas prometem um futuro e exigem algo de nossa vida. Em alguns casos, esse sacrifício vale a pena. Em outros, não tanto. Assim como pode nos inflamar, uma visão também pode nos queimar.

A liderança eficaz

Quando o apelo de um líder depende apenas de uma visão, a liderança não é completa. E as limitações dessa liderança visionária tornam-se dolorosamente óbvias em tempos de crise, incerteza ou mudança radical. 

Por exemplo, veja a pandemia do coronavírus. Ninguém tinha nada parecido em sua “visão de 2020”. As crises sempre testam as visões, e a maioria não sobrevive. Porque quando há um incêndio em uma fábrica, uma queda repentina de receita, um desastre natural, não precisamos de um apelo. 

O que precisamos, é de um tipo de sustentação, para que possamos nos mover com propósito.

O que queremos dizer com sustentar? 

Em psicologia, o termo tem um significado específico. Descreve a forma como outra pessoa (muitas vezes uma figura de autoridade) contém e interpreta o que está acontecendo em tempos de incerteza. 

Assim, “sustentar” refere-se à capacidade de aliviar a angústia e interpretar a capacidade de ajudar os outros a dar sentido a uma situação confusa. 

Pense em um gerente que, em uma crise severa, reafirma aos funcionários que a empresa tem os recursos para resistir à tempestade e que a maioria dos empregos estará protegida, os ajuda a interpretar os dados de receita e dá orientações claras sobre o que deve ser feito para atender aos clientes existentes e desenvolver novos negócios. 

Esse executivo está “segurando”. Esse trabalho é tão importante quanto inspirar outros. Na verdade, é uma pré-condição para isso.

Sustentar é uma faceta da liderança mais obscura e raramente menos celebrada do que a visão, mas não menos importante. 

E quando as crises acontecem, torna-se essencial. Em grupos cujos líderes podem sustentar, o apoio mútuo é abundante, o trabalho continua e uma nova visão eventualmente surge. 

Assim, quando líderes não conseguem se sustentar e nós não podemos nos segurar uns aos outros, surge a ansiedade, a raiva e a fragmentação. 

Ser abraçado enquanto enfrentamos uma crise, é mais útil do que saber como o futuro é brilhante.

Em suma, sustentar bem não só nos torna mais confortáveis ​​e corajosos. Isso apenas nos torna. A neurose, não é o produto do que a socialização faz aos nossos instintos, mas do que deixa de fazer com o nosso potencial. 

Saúde mental e liberdade, portanto, exigem o aprendizado de novas maneiras de se relacionar.

Os líderes fornecem sustentação institucional ao fortalecer a estrutura e a cultura de uma organização ou grupo. Eles fazem isso quando promovem o diálogo que permite que diversas pessoas participem nas decisões e na adaptação a novos desafios juntas, ao invés de encorajar facções polarizadas. 

Os líderes não são as únicas fontes de sustentação. Podemos oferecer muito uns aos outros, no trabalho e em qualquer lugar. Sustentar nos traz de volta à vida juntos.

Se nosso conteúdo ajuda você a enfrentar desafios, considere continuar refletindo sobre nossos artigos sobre empoderamento!

Até mais

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 5 =

Descubra o melhor que há em você