Recuperando o Divino Feminino pela Terapia

Em um mundo cada vez mais competitivo e agressivo, o trabalho de empoderamento feminino se torna imprescindível.

Veja como você, homem ou mulher, pode recuperar seu eu mais íntimo, e explorar suas potencialidades sem se deixar levar pela correnteza social.

Neste momento de grande turbulência, é imperativo recuperar a voz e a presença do feminino para cultivar o equilíbrio em nosso mundo. À medida que reconhecemos as introjeções culturais de nossa sociedade patriarcal divisiva e dominante, como a misoginia internalizada, trazemos consciência dos obstáculos que nos aprisionam, desconectam e nos alienam de nossa identidade. 

Vamos restaurar e tecer os princípios perdidos no tempo e no inconsciente, de colaboração, solidariedade, apoio mútuo, receptividade, co-criatividade e relacionamento profundo de volta em todas as coisas, à medida que recuperamos nossas potencialidades.

Por meio de desaceleração, pausa, meditação guiada e exercícios de base somática, exploramos nossas margens de crescimento e o que significa a experiência incorporada que chamamos de “feminino”. 

Assim, nós nos sintonizamos atentamente com nosso próprio ritmo e sensações corporais, confiando nessas mensagens internas. 

Recuperando esses aspectos, entramos na liderança positiva com um renovado senso de alinhamento, autenticidade e conexão. 

Nós, do Instituto Bazzi, nos juntamos para esse renascimento e ressurgimento do feminino para iniciar um novo épico de prosperidade em saúde física e mental, equidade, parceria e equilíbrio. 

Quando você completa os processos de imersão, será capaz de:

  • Definir o conceito de “feminino” no que se refere ao autoconhecimento;
  • Explicar como a reconexão impacta o campo relacional;
  • Demonstrar a habilidade de ficar com as sensações de desconforto; 
  • Usar a consciência incorporada para monitorar o processo à medida que ele se desenrola; 
  • Aplicar esses princípios ao seu trabalho no dia a dia.

Aprendemos a construir nossa realidade e nosso senso de identidade a partir de mensagens e experiências contínuas que distorcem nossa identidade, moldam nossa forma de ser e nosso valor. 

Isso levou a uma luta com a auto-aceitação, depressão, aversão ao corpo e visibilidade.

Em nossos trabalhos, exploramos a natureza da vergonha, como ela vive em nossos corpos e influencia nossa experiência e expressão. Por meio de experimentos gerados em grupo, desaceleração, respiração, consciência sensorial e toque, passamos a desinibir nossos corpos, transformando nossa vergonha em empoderamento. 

Vemos como a conexão de nosso trauma de vergonha se relaciona com a raiva, o perfeccionismo e a intimidade e como ela floresce através do sigilo, silêncio, julgamento e desconexão. 

Para nós, curar a vergonha é a chave para a mudança transformacional. A vergonha não pode crescer quando somos profundamente vistos pelo outro, quando somos compreendidos, validados e oferecidos no calor da empatia. 

Ao despertar novos insights, criamos práticas de pertencimento e conexão para curar a vergonha. Quando saímos do segredo de nossas histórias de vergonha, nomeamos, falamos sobre isso, escolhemos cuidadosamente a quem contamos, somos profundamente atendidos e limpamos o campo. 

Como conhecemos e experimentamos nossos corpos? 

Nossa consciência de nossa existência no mundo começa em nós mesmos e em nossa experiência pré-pessoal, emergente e não verbal no momento presente. 

A exploração e conhecimento do outro é um desdobramento, um seguimento da nossa curiosidade e energia, da nossa dança co-criada, mútua, relacional, corporificada. 

Começamos focando em nosso próprio sentido e, em seguida, apoiamos o movimento para fora, em direção a um senso de nossa inter-relação. 

Nossa intenção é destacar e articular a experiência de seu eu corporal em relação ao(s) outro(s).

Hoje, os neurocientistas estão mapeando os caminhos neurais que conectam pensamento e emoção à fisiologia. Estas práticas levam a atenção plena ao próximo nível, adicionando componentes fisiológicos, incluindo alinhamento físico, movimentos suaves e sons.  

Você terá a oportunidade de aprender como esses princípios e práticas podem ser usados ​​para aumentar sua capacidade de permanecer ancorado, centrado, perceber mais plenamente e capacitar os outros no processo de seu trabalho.  

Se interessou por este tema? Descreva para nós como pode ser incorporado na sua prática diária?

Até mais!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

20 − cinco =

Descubra o melhor que há em você